DIRETORA FAZ ALERTA: QUANDO SINDICATO SE ENFRAQUECE QUEM MAIS PERDE É O TRABALHADOR!

CONSCIENTIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO

Diretora de Francisco Beltrão defende engajamento dos técnicos da região contra a MP 873/2019.

"O maior objetivo é deixar sindicatos sem recursos para atender a categoria."

Terça, 19 de março, o presidente do Sintec-PR Gerson Faedo recebeu a visita da diretora de Francisco Beltrão, Quelli da Silva, na sede de Curitiba. A pauta do encontro teve dois importantes assuntos . O primeiro foi o alinhamento de questões de interesse dos técnicos do Sudoeste, que contaram com a devida orientação do Dr. Rômulo Ferreira da Silva, da assessoria jurídica do sindicato.

O segundo tema discutido foi como desenhar ações para neutralizar os efeitos da MP 873/2019 que impede as empresas de efetuar os descontos relativos a Contribuição Sindical em folha de pagamento.

Para os representantes do Sintec-PR esta é mais uma investida do atual governo para inviabilizar as atividades sindicais , deixando trabalhadores totalmente descobertos para a negociação e defesa de seus direitos. Segundo a MP, o pagamento deverá ser recolhido através de boleto bancário ou equivalente eletrônico, emitido pelo sindicato e enviado diretamente ao empregado que autorizar expressamente ao sindicato o recolhimento da referida taxa.

“Além de um gritante desrespeito a liberdade sindical, fica claro o quanto este processo vai aumentar os custos operacionais dos sindicatos - em listagens de endereços, envio de boletos, etc.

E a exigência do governo dificulta tanto para o sindicato como pro trabalhador – que também terá que efetuar o pagamento deste boleto, despendendo tempo e atenção para algo que já tinha soluções muito mais eficientes e práticas.

“Não é difícil imaginar o reflexo que toda esta DIFICULDADE terá na vida das entidades: menos trabalhadores contribuindo, mais despesas, é prejuízo na certa! " Para muitos sindicatos fechar as portas será quase que inevitável!" - destaca Quelli da Silva.

Para o Sintec-PR, a derrubada da MP certamente passa pela conscientização da população de todos os seus danos, da agressão que ela representa para os trabalhadores e na mobilização dos trabalhadores cobrando do congresso a não aprovação da medida.

Para conhecer os detalhes da MP 873/2019 acesse o site do Planalto aqui